LUÍS CAPUCHO

LUÍS CAPUCHO

LUÍS CAPUCHO

crocodilo

capa crocodilo_edited_edited.jpg
WhatsApp Image 2020-06-17 at 10.31.28.jp

Prostitutas suicidas, amantes aleijados, profusão de rosas, figuras maternas, a solidão do sexo sem beijo – personagens e cenas que povoam esse universo, traçado desde o surgimento de Capucho, no coletivo “Ovo” (1996) e desenvolvido ao longo de cinco álbuns ( “Lua Singela”, “Antigo”, “Cinema Íris”, “Poema Maldito” e “Crocodilo”) e quatro livros (“Cinema Orly”, “Rato”, “Mamãe me Adora” e “Diário da Piscina”). Gravado por Ney Matogrosso e Càssia Eller, entre outros, e dialogando nos últimos anos com artistas mais jovens ( com a mesma natureza provocadora), como Vovô Bebê e Bruno Cosentino, o compositor se junta agora aos Cadernos de Música, ao lado do tropicalista Tom Zé – e suas provocações de outra ordem.

                                                 Cadernos de Música Número 4
                                      - Maio de 2020 - Luís Capucho -  

Vídeo Retrato

Publicado em 5 de abr de 2018

Estréia da peça Cabeça de Porco, sobre o universo artístico de Luís Capucho, com o Grupo Prática de Montação. Direção de Diêgo Deleon - Nov/2016.

MALUCAS 

Interpretadas

na Web

 

Defesa de Sandro Aragão - 

Homoerotismo e o Cânone Literário

  • blogger-square
  • facebook-square
  • youtube-square

LUÍS CAPUCHO